#Guitarrista

Música

Myles Kennedy – The Ides Of March

Publicado há

-

Editora: Napalm Records
Data de lançamento: 14.05.2021
Género: rock n’ roll / blues

Myles Kennedy atesta que é, de facto, um dos maiores nomes do rock mundial do Séc. XXI.

Roqueiro icónico dos nossos tempos, Myles Kennedy não deixou que a pandemia o parasse e após lançar Walk the Sky em 2019 com Alter Bridge pôs cabeça e mãos à obra para fazer nascer o seu segundo álbum a solo The Ides of March, que sucede a Year of the Tiger (2018).

Assim, depois do Ano do Tigre, Myles fala-nos dos Idos de Março, um título que muito se pode adequar à crise pandémica que tem vindo a assolar o planeta mais precisamente desde esse mês de 2020.

Press play. Ao longo de 11 faixas, o guitarrista / vocalista amplia o seu espectro criativo, e, ainda que sempre dentro do rock, o que aqui ouvimos é diferente do que estamos habituados na sua banda principal tendo-se em conta que está mais livre a solo para fazer o que bem quer.

Com letras que defendem unidade e solidariedade em vez de separação e desprezo, Myles Kennedy apresenta-se musicalmente fluído e sem limites, abrindo o seu leque musical com solos à Jimmy Page e riffs rock n’ roll na veia dum Slash (afinal trabalharam juntos em The Conspirators).

A inaugural Get Along prova ser um tema de rock hínico para arenas e à terceira In Stride começa-se a sair da caixa com guitarras em slide e blues, algo que vai sustentando o álbum aqui e ali astutamente como se pode ouvir na alegre Tell It Like It Is ou na atmosférica e apaixonada Worried Mind que encerra o trabalho.

Com a faixa-título a surgir na quarta posição do alinhamento, Myles abranda e mostra quão bom vocalista é ao oferecer o seu timbre único entre estridente e nasalado combinado com muita emoção numa composição que une rock e ambientes latinos. Acto contínuo, após a energética Wake Me When It’s Over, Myles volta a fazer das suas com a suave e etérea Love Rain Down, óptima para se ouvir às duas da manhã quando se quer adormecer em paz.

Entre guitarras eléctricas, acústicas, bandolins e muito slide, sem esquecermos as letras edificantes e os refrãos orelhudos que muita vezes roçam o almejado radio-friendly, Myles Kennedy atesta com este The Ides of March que é, de facto, um dos maiores nomes do rock mundial do Séc. XXI ao ter noção conceptual da realidade que vivemos e ao saber aliar inteligentemente aspereza e ternura sónicas numa sólida colecção de belas músicas.