#Guitarrista

Artigos

Jason Lollar: O que faz um bom pickup?

Publicado há

-

Jason Lollar é um nome que surge frequentemente quando o tópico da conversa incide nos melhores pickups. Os humbuckers Imperial, da sua autoria, tornaram-se uma referência naquilo que os PAF modernos devem ser. Em entrevista à Guitar World, Lollar falou dos ingredientes que compõem um bom pickup.

«Gosto que o pickup consiga dar resposta a tudo aquilo que o músico faça nas cordas, e que não seja o pickup a dominar o som», explica. «Tal requer uma certa dose de força e clareza, especialmente quando se tocam notas em intervalos muito próximos.» Desde os primórdios do fabrico de pickups, quando a DiMarzio e a Seymour Duncan entraram em cena na década de 1970, os guitarristas tornaram-se mais conscientes dos materiais que compõem um captador, e Lollar acredita que é importante considerar todas as variáveis que possam contribuir para aperfeiçoar a voz do pickup. «Usamos muitas coisas diferentes», explica. «Um enrolamento mais apertado gera uma potência maior. Com um enrolamento mais solto, o som fica mais brilhante e com menos impulso. A forma como o pickup é enrolado tem influência, assim como o calibre do arame. Depois, há o tipo de íman escolhido e o quão carregado ou desmagnetizado se encontra, o que faz uma grande diferença. Até a capa do pickup faz diferença, pelo que há muitos detalhes a ter em conta», reflecte. «Muitos guitarristas avaliam um pickup pela sua resistência, o que é uma ideia errada, pois a resistência pode variar com a temperatura ambiente», explica. Sobre a sua criação, o humbucker Imperial, Lollar comenta: «Queria que tivesse a potência de um PAF genérico e o Imperial foi desenvolvido com uma capa pois faz diferença no som. Equilibra os agudos e confere à globalidade do som uma espécie de rugido. Ao remover a capa, isso desaparece, pois vai distorcer um pouco o campo magnético.»

«Outra coisa que fizemos com o Imperial, foi reforçar a saída da ponte um pouco mais, para um melhor equilíbrio. Tenho uma ES-355 de 1963 e uma Les Paul Custom de 1971, e em ambas as guitarras é necessário reduzir o volume do pickup de braço para conseguir uma resposta nivelada dos dois pickups. Sabia que era algo que acontecia nas Gibsons antigas, pelo que desenvolvi o pickup para que não soasse descompensado ao alternar entre um e outro.»

Humbucker Imperial, de Jason Lollar.