#Guitarrista

Artigos

Anarquia no Reino Unido!

Foi o estilo violento, visceral e eficaz do guitarrista Steve Jones que fez de Never Mind The Bollocks o clássico que amplificou a voz da década de 1970.

Publicado há

-

Fotografia de Michael Ochs

Quando, em Novembro de 1976, Anarchy in the U.K. chegava ao público na forma de single, poucos conseguiriam adivinhar que o punk assumiria o lugar de topo entre as ramificações que brotaram do rock, e que manteria a sua postura firme e íntegra ao longo das quatro décadas que se seguiram. Os Sex Pistols, muito à semelhança daquilo que os Nirvana viriam a reproduzir na década de 1990, faziam chegar às massas um estilo de música cru, directo e cheio de atitude, empacotado naquele que é tido como um dos melhores discos que o punk alguma vez originou: Never Mind The Bollocks, Here’s The Sex Pistols. Do rosnar vicioso de Johnny Rotten à figura de um Sid Vicious dividido entre o mito e a realidade, o único disco de estúdio dos britânicos é especial por várias razões, mas é o estilo violento, visceral e eficaz do guitarrista Steve Jones que fez de Never Mind The Bollocks o clássico que amplificou a voz da década de 1970.

Do Verão de 1976 em diante, Steve Jones equipou-se com um amplificador Fender Twin Reverb, roubado da parte de trás de um camião de Bob Marley and the Wailers, quando estes completavam uma série de concertos no Hammersmith Odeon, em Londres. O combo, apoiado por colunas de 400 watts da Fender, conferia um tom bruto à sonoridade dos Sex Pistols, com um poderoso overdrive a oferecer uma resposta reduzida nos agudos, médios crepitantes e graves expressivos. Na categoria das seis cordas, Jones tocava com uma Les Paul Custom de 1974, a mesma que havia servido Syl Sylvain, dos New York Dolls. O humbucker de ponte, desprovido da sua capa original, fornecia potência suficiente para levar o amplificador ao overdrive, com o produtor Chris Thomas e o seu engenheiro Bill Price a acrescentarem uma dose adicional de sujidade e fúria através de feedback e dos vários overdubs registados por Jones, aqui auxiliado por um pedal MXR Phase 90. O resultado final é do conhecimento de todos: um disco feroz que deixou uma marca bem visível no mundo da música.


Pretendes obter um som idêntico ao de Steve Jones de forma económica?
Podes optar por uma Epiphone Les Paul Custom, uma gama bem mais acessível do que a original Gibson. Acrescenta um amplificador Fender George Benson Hot Rod Deluxe para garantir graves nítidos e um overdrive que é tudo menos mole, e para o pedal mantém o modelo actual do MXR Phase 90.